sao conrado at dawn IN THE MEADOW"

Se os dias, as palavras, os afetos a subirem-me pela face forem generosos e o meu olhar agudo,talvez escreva um poema, um conto. Por ora são anotações esparsas. In the meadow. Ao som do mar.


terça-feira, 30 de janeiro de 2007


















teus olhos



teus olhos escalam um mundo
quando se intrometem entre as minhas
palavras – seriam pernas?-

a trazerem o oceano
que sempre me habitou
sereno e furioso
antes de o navegares
e o tomares
e o tornares teu



your eyes

your eyes climb a world
when they dive
into my words
- or would it be legs?-
bringing the ocean
that has always lived in me
- serene and furious-
before you you sailed it
and took it
and turned it yours



silvia chueire






escrito por Silvia Chueire

|

0 comentários







sábado, 27 de janeiro de 2007
















surpresa


sentas sobre mim os olhos quietos,
a cara crivada de perguntas,
e na calma esperas
que eu te diga a verdade dos humanos

não tenho nas mãos a verdade.

a verdade sobe delirante
pelos elevadores da megalópole,
pela megalomania dos loucos,
e foge de nós.

tenho nas mãos a angústia,
alguma lucidez reservada,
e agarrada na face a surpresa cotidiana
do homem: sua grandeza impensável,
sua insuportável pequenez.


silvia chueire

escrito por Silvia Chueire

|

0 comentários







terça-feira, 23 de janeiro de 2007


os amantes- magritte















em nome do amor


todos os gestos enganosos
- a mentira, a hipocrisia,
o drama inventado,
a voz supostamente trêmula -
cometidos em nome do amor,
pretendem perdão.

mesmo a mão que agride,
a palavra que manipula,
que tira proveito.
mesmo a arma que mata.

descaradamente pretendem perdão
- como se o amor fosse um pulha
a enganar-nos todos.


silvia chueire

escrito por Silvia Chueire

|

0 comentários







sábado, 20 de janeiro de 2007






















em pedra


tentas transformar em pedra
o que é sentimento
com a tenacidade de um alquimista
em busca da secreta fórmula,
além – ou aquém, não sei – dos átomos.

talvez consigas,
talvez o mundo te seja prodigioso
e te mostre a face mágica.

pessoalmente acho vão esforço.
pessoalmente, eu, que não creio em magias,
quedo a cabeça sobre as almofadas,
a pensar, enquanto um blues galga as paredes:

esta tenacidade no amor seria preciosa.


silvia chueire



escrito por Silvia Chueire

|

0 comentários







terça-feira, 16 de janeiro de 2007

Árabes XXXVI




















inverno

o inverno desliza
no corpo que espera.

quanto frio ainda haverá,
antes que ele chegue
e de novo as rosas desabrochem
e com elas a cor pinte meu rosto?

desde que se foi o meu amado
não há almíscar,
o perfume desertou a vida,
o vinho não sabe a prazer.
já não me acolhe, a noite,
é escuridão sem voz .

o vento não se oculta no deserto,
nem fala aos meus quadris
nenhuma dança.

desde que se foi o meu amado
o inverno não se cansa de ser eu.

silvia chueire

escrito por Silvia Chueire

|

0 comentários







sábado, 13 de janeiro de 2007

















de outono


tenho olhos para ver
os teus olhos de outono
a me falarem na distância,
teus gestos.

é sempre outono,
a nossa estação.
as horas correm entre as árvores
do lugar onde te espero.


silvia chueire

escrito por Silvia Chueire

|

0 comentários







terça-feira, 9 de janeiro de 2007


strangled woman - cézanne
















fazer morrer


se a morte andava pelas tuas mãos
não era de propósito.
descuidado, era seu modo de andar.

também tu a chamavas inadvertidamente
teu amor por ela era maior
do que todos ao teu redor

o que poderias fazer
desta paixão pelo avesso da vida,
pelo avesso do afeto?


silvia chueire

escrito por Silvia Chueire

|

0 comentários







quinta-feira, 4 de janeiro de 2007























(im)possível

era uma lua alta sobre a chuva
e os fogos
e a cidade em combustão.
era uma lua oculta,
uma lua silenciosa,
uma quase-palavra que eu diria a ti,
um gesto.

repentinamente horas
em que tudo parece ontem
e estou suspensa em segundos mudos
sob o grito da noite e das pessoas.

só eu sei a palavra (im)possível.


silvia chueire




escrito por Silvia Chueire

|

0 comentários










home

 

Creative Commons License
This work is licensed under a
Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 2.5 License.

perfil

nome: Silvia Chueire

local: Rio de Janeiro, Brazil


perfil completo

 

links

PNETLITERATURA
A Esquerda da Vírgula
A Natureza do Mal
As Gavetas
A Origem das Espécies
Ana de Amsterdam
Afrodite sem Olimpo
Agreste
Algaravária
Amoralva
Antologia do Esquecimento
Ao longe os barcos de flores
Ao mirante, Nelson !
ATMOSFERA
avant-dernière pensées
blog d'apontamentos
Blog de Papel
Brancaleone
Casa de Cacela
Coisas da Gaveta
coisasemnome
Cosmorama
Cronópios
dias comem tempo
Dennis D.
Divas e Contrabaixos
Do Inatingível
Dona Estultícia
Em desalinho
Equinócio de Outono
Escrita Ibérica
Escrita Solta
Escritoras Suicidas
Estado Civil
Frágil
Fico até tarde neste mundo
Food-i-do
FOCANDO-revista
Gávea
George Cassiel
GERMINA
holocausto
imaginário eixo
Incursões
Inscrições
Insónia
LaGioconda - Revista
La vie en blues
Letra de Corpo
Letteri Café
Limiar do Limite
Linha de Cabotagem
loose lips sink ships
Los Excessivos
lowcura
menina limão
meia-noite todo dia
Meu bazar de Idéias
micrópolis
Milton Ribeiro
MINGUANTE - revista
miniscente
MIZU NO OTO
metonímias
mudança de ventos
Nu Singular
No Arame
Nocturno com Gatos
O Biscoito Fino e a Massa
o carapuceiro
Ofício Diário
pAIxÃO sObrE TElA
Papel de Pão
papel de rascunho
Paramar
Pensar enlouquece, pense nisso
Podiamsermais
Prima Scripta
Prosa Caótica
Púrpura Rosa
Rachel Caiano
Rascunho-Jornal de Literatura
Registo Civil
respirar o mesmo ar
Riobaldo e Diadorim
Segundo Impacto
Sempre Ontem
Sobre a pálpebra da página
Sublinhar
SULSCRITO
Sushileblon
tábua de marés
The heart is a lonely hunter
there's only 1 alice
Tubo de ensaio
Urdidura
Umbigo do sonho
Vai meu filho!
Welcome to Elsinore
versões
VOLUMEN
Zunai- revista
20 CENTÍMETROS
- 273,15 ºC


 

Últimos posts




 

arquivos



  

visitantes





 

  

estatísticas




 

créditos