segunda-feira, 5 de novembro de 2018

diários V



o perfume
eleva a pele a algo entre
o veludo e o abraço.


cola-se na minha memória
a mistura de tangerinas,
rosas, lilases.
e traz com elas dias inteiros.


silvia chueire

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

diários IV


       
a rotina pode ser

uma impercebida prisão.

 

toma-nos de surpresa.

pé ante pé

instala-se na vida de acordo

com estranhos relógios.

 

demora livrar-se dela.

 

silvia chueire

sábado, 11 de novembro de 2017

diários III

as orquídeas lançam raízem e flores

desenfreadas.

têm pressa.

 
desabrocharão sua beleza extrema

com a paixão típica das flores.

 

silvia chueire

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

diários II


olimpíadas -

breve os deuses do olimpo

virão dar às nossas praias,

correr nas nossas florestas,

amar nossa alegria.

 

tudo será o sonho realizado de um poema.

 

silvia chueire

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Fim



 Era tua a mão,

 música, a me tocar , memória.

Entre palavras a proximidade de um oceano,

a distância de um olhar,

o silêncio vivo do deserto.

 

Era minha a face desguardada,

Teu o coração depositado em minhas mãos.

O ar que eu respirava, era teu.

Tudo era assim : súbito .

Pequenas mortes, risos, gestos delicados

a nos tomarem

 

- até o fim .

 

Hoje voo alto.

Tu não és tu,

já não sou eu.

 

Silvia Chueire

quinta-feira, 8 de junho de 2017

diário I


 

 o dia estava nítido hoje.

cada vez mais os dias nítidos me fazem alegre

e assobio canções pela rua

como fazia aos dezoito anos.

é uma felicidade inesperada e gratuita.

 

nestas horas

é possível ouvir a música da vida toda.

 

silvia chueire

Como ressuscitar um blog de poemas ?

 

Acordando-o delicadamente
com um beijo e um carinho?

Um grito de despertar aflito
do tempo perdido?

Acordando-o para uma noite de sexo, selvagem
mas poético?

Tudo e nada.

Os poemas, o blog, hão de acordar por conta própria.



Silvia Chueire

Crepúsculo na praia de São Conrado



quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Mais um ano


mais um ano

é um oceano a ser navegado.

velas distendidas pelo vento ,

não-saber se chegaremos,

a beleza  dos dias , da luz

das noites estreladas.

 

e as tempestades a sacudirem-nos,

medo a navegar as ondas.

ou paixão, entrega,

calma,  desvairo

 

e sobre tudo o coração e olhos

escancarados para a vida.

 
 
Silvia Chueire
 
 

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

corpo



 não se pode elidir o corpo

ele é nós. nós somos ele.

pele, artérias, sangue,

órgãos, músculos.

sentidos e sensações.

 

não se pode fingir que não existe,

ou deixar de pronunciá-lo

em palavras claras

- como se fosse um erro.

 

é nosso corpo.

e está vivo.
 

Silvia Chueire

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

olhar para trás




 

não há nostalgia,

dor,

ou arrependimento.

 

olhar para trás

traz a satisfação da vida bem vivida.

medo, ousadia, ansiedade, prazer,

perdas, ganhos, riso e lágrimas.

o vinho bem bebido,

a música embalando corpo e alma,

as palavras atadas ao afeto.

 

olhar para trás traz esta certeza:

viver é preciso.

 

Silvia Chueire

 

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Não sei




Há pessoas que têm as mãos cheias de poemas

e os cabelos e a alma.

- Bordam o dia com os versos mais inesperados –

 

Não sei de onde me surgem as palavras

ou o que fazer com elas.

Arranjá-las em meio à angústia

com o dia a bater-me na face.
Não sei.

 

Silvia Chueire

domingo, 17 de junho de 2012

elevar


retirar o silêncio dos olhos,
deixá-los mergulhar no céu,

nas cores e faces humanas.

- desvelá-los -


retirar o silêncio das mãos,
da boca.

deixá-las ser.

cada palavra

no seu  frescor,

viva como riso

ou choro.


retomar a paixão,
a vida a galopar

corpo afora,

a elevar verbo e tempo.





silvia chueire

quarta-feira, 16 de maio de 2012

outono



nada das folhas secas e cores de terra,

o sol brilha na sua majestade tropical.

a cidade e seus seres apressados,

sorriem a desprezar as estações.



às vezes me faz falta a discrição

trazida pelo outono.


autumn


no dry leaves and earthly colours

of fall.

the sun shines in a tropical splendor.

the city and  it’s hasty creatures

smile with no regard for the seasons.


sometimes  I miss the discretion

brought by autumn

silvia chueire

quinta-feira, 15 de março de 2012

Primavera árabe

 Rejubilam-se as almas lavadas de liberdade,

eu e meus irmãos súbito tocados pela luz.

Pertencem-me  as palavras

para dizer o que eu queira!



Há algo além da alegria, neste dia de alegrias.

A felicidade é isto:

 a conquista de nós mesmos,

de um lugar no mundo

sob as nossas vontades.



Sou  mais irmã das minhas irmãs e irmãos,

porque sou eles e eles são eu.

Alaga o meu peito este amor compartilhado.



Um dia havíamos de amanhecer na primavera,

em todas as estações do ano !

Silvia Chueire

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Da poesia

Sussurro mínimo
ao longo do sol que se põe.

A sedução das perguntas,
da beleza.
A canção oculta entre palavras
pensamentos.

Dispersa pelo mundo.

A poesia  dos dias
a salvar-me a sanidade.

 Silvia Chueire
                                                 

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Uma pedra

Há uma pedra na insônia.
São de pedra as nuvens carregadas e a voz calada.



Um corpo pende no abismo.
Equilibra-se ou não,

como qualquer objeto.



Toda a consciência da pedra,
da luz,

do sangue,

da microscópica importância da existência

se entrechocam .



Silvia Chueire

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Breve

Tão breve a vida,


o coração passando por um buraco de agulha,

as frases , as juras, os risos, os enganos,

a respiração subitamente contida,

a vaidade. A verdade?



Tão breve!



Silvia Chueire

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Cada parte

Cada parte encrespada do todo

é linha a separar vida e morte.



Cada parte a gritar ou inclinar a cabeça

é vento a passar pelo outro,

a passar por nós mesmos.



Cada parte encrespada do todo,

é pulso, lábio, palavra encantada.



Cada parte, eu, tu.

Cada parte, essência.



Silvia Chueire

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Sempre blues

Toca-me a pele um blues.

Sua voz de lamento e prazer

me conta o segredo da ressurreição.



Rio-me e choro

na simplicidade da resposta.



Por nem um minuto

se aquieta o corpo

ou a voz que canta.



Silvia Chueire

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Balé

Um balé com as pílulas,

uma qualquer idéia de esperança metida nelas



Até o fundo do fundo.

Tuas mãos

vazias.




Silvia Chueire

sábado, 4 de dezembro de 2010

O som do trompete

O som do trompete em surdina

toca as palavras e as empurra

para a beira dos lábios.



Há ritmo no sangue acelerado,

música em uníssono.



O poema também é isto.



Silvia Chueire

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Imersa

Há uma palavra imersa em meus sentidos,

um poema que não se pode dizer.



Faz do meu corpo seu país,

deita versos desalinhados

sobre mim.



Depois voa,

seu vôo de canção.



Silvia Chueire

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Nasce

Nasce, na opacidade das horas,

uma qualquer canção .



Uma palavra inquieta

a remexer-se:

um poema.



Silvia Chueire

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Afronta

A insônia rebatida

nas casas banhadas

de sol

tem a marca

melancólica

do afastamento das coisas.


A beleza pode ser uma afronta.


Silvia Chueire

domingo, 2 de maio de 2010

Hoje

É hoje o desabrochar da vida.

Esta conjunção
de palavras, pensamentos
e taquicardias.


Silvia Chueire

Tenho os pensamentos enredados
na grandeza da noite,
ela os empurra e confunde.

Meu corpo é um só contra o tempo e
tantas vezes se encolhe na angústia
de ignorar
o próximo fato definitivo.

Pó a temer pó.


Silvia Chueire

segunda-feira, 22 de março de 2010

levitar

o corpo levita
no centro da memória.
as mãos agem no claro-escuro
a enveredarem pela festa de imagens, sons.

levitam as palavras.

os olhos pensam que tudo é ilusão,
mas o corpo enlevado
se recusa a ouvi-los
e rodopia eufórico.

tomba a lógica
na claridade do mais dia dos dias:

tudo é como devia ser.

silvia chueire

sexta-feira, 5 de março de 2010

nesta noite

entro nesta noite
com a navalha atravessada
nos dentes

os olhos procuram o mais agudo
da madrugada

a adrenalina arrepia
por baixo da pele

a palavra é fatal


silvia chueire

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Lanças

Lanças o gesto:
asa a debater-se,
foice rasgando o pensamento,
olhos esquecidos de o serem.


Lanças a palavra:
arma mortal,
perdida na carne,
no cerne do outro.

Gesto e palavra :
um só fim.


Silvia Chueire

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Todos os dias

Todos os dias murmuras uma prece,
os lábios concentrados
em movimentos miúdos.

Todos os dias dizes seu nome sem perceberes.
Gravado na pedra da memória,
ele te vem à boca,
em chamas.

Todos os dias estremeces
a despeito da tua indiferença.
Inconfidente,
teu corpo te lembra que existes.

Silvia Chueire

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Acabar

O poema não sabe
se o ano está acabando
e desembaraça palavras
há muito caladas no meu peito.

Perco-me entre elas,
a baterem-me sobre os olhos
feito música,
e o tempo
- que pode ser todo ou nenhum,
mas pulsa.


Silvia Chueire


sábado, 2 de janeiro de 2010

Reveillon

Tenho os olhos mergulhados no céu
e flutuando pelo champanhe recém aberto;
Paco de Lucia dedilha Río de La Miel
e o poema vai tomando seu lugar entre os meus dedos.

Entre os meus dedos e a tela e a palavra e o desejo.

Lá fora o frisson dos fogos de artifício,
a ansiedade, a festa arrebatam a cidade.

Aqui a guitarra, castanholas
e a mulher a colher umas palavras.


Silvia Chueire

diários V

o perfume eleva a pele a algo entre o veludo e o abraço. cola-se na minha memória a mistura de tangerinas, rosas, lilases. ...