sao conrado at dawn IN THE MEADOW"

Se os dias, as palavras, os afetos a subirem-me pela face forem generosos e o meu olhar agudo,talvez escreva um poema, um conto. Por ora são anotações esparsas. In the meadow. Ao som do mar.


quarta-feira, 29 de novembro de 2006



fazer de conta


faço de conta que é outra coisa
e finco os pés nos dias
como se tivesse forças
para colhê-los sozinha.

sempre um dia e outro,
não exatamente iguais,
nem exatamente opostos.

debruço-me sobre o papel,
a caneta carregada de palavras
que se articularão a despeito de mim
feito desconhecidas falando entre si
uma língua cifrada.
escrevo-as.
não há outro caminho.


silvia chueire


escrito por Silvia Chueire

|

2 comentários







terça-feira, 21 de novembro de 2006

dois poemas


interrupted reading - corot






















às vezes


a vida é um sono
- um sonho ? –
imagens difusas e paradas
dias e noites em infusão
no tempo

olhamos para ela
os olhos descrentes
de que possa começar a andar

quando menos percebemos
carrega-nos para além de nós.


silvia chueire





ao modo de fotografar


quando olho sei que fotografo.
descubro a permanência da luz,
a terrível permanência da luz,
suas nuances impressas.

quando olho ao modo de fotografar
incidindo a lâmina da imagem na retina,
na memória a alma da circunstância,
sei que estou cativa.
e um vento frio me percorre o corpo.


silvia chueire

escrito por Silvia Chueire

|

2 comentários







terça-feira, 14 de novembro de 2006


stary night- vincent van gogh













nós

a noite abraça as palavras
e a insônia maternalmente.
acalenta os olhos
- perdidos em pensamentos -
no despropósito de espreitarem
o esboço da lua entre nuvens espessas.

a vida pode ser a noite,
os olhos,
a lua.
nós somos pensamento.


silvia chueire

escrito por Silvia Chueire

|

0 comentários







quinta-feira, 9 de novembro de 2006




















Uma fotografia


Uma fotografia pode ser uma faca profunda
e ácida na pele dos vivos
- se os olhos sentem-se queimados
pelo desconsolo do tempo.

Pode ser um afago a tocar a música
de uma memória que vive
seu lugar inextinguível
- se as mãos preservaram
o sentido do toque.

Uma fotografia pode apenas não ser ;
esvaziada de significado,
morrerá
- assim que desviarmos o olhar.


Silvia Chueire

escrito por Silvia Chueire

|

0 comentários







domingo, 5 de novembro de 2006

a título de despedida


Lisboa- rua do Alecrim


Lisboa- Chiado à noite












Lisboa- O Tejo e a chuva













respirar a cidade

respiro a cidade
com a força de quem não a quer deixar fugir,
a intenção firme de trazê-la
um pouco mais para mim.

não a perder,
tê-la sob a pele.
a luz, o espetáculo do rio,
os telhados
numa alegoria da vida
que percorre as ruas e os sorrisos,
as casas e a melancolia.

respiro a cidade

- o país -
com a determinação de manter a memória
viva, a cidade pulsando
no meu corpo,
os rostos dos amigos brilhando
na noite, as garrafas de vinho
e as palavras ouvidas nos dias.
nos dias o sol e a chuva
a produzirem novas cores.

respiro a cidade
antes de deixá-la,
levo-a comigo.

silvia chueire


escrito por Silvia Chueire

|

1 comentários










home

 

Creative Commons License
This work is licensed under a
Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 2.5 License.

perfil

nome: Silvia Chueire

local: Rio de Janeiro, Brazil


perfil completo

 

links

PNETLITERATURA
A Esquerda da Vírgula
A Natureza do Mal
As Gavetas
A Origem das Espécies
Ana de Amsterdam
Afrodite sem Olimpo
Agreste
Algaravária
Amoralva
Antologia do Esquecimento
Ao longe os barcos de flores
Ao mirante, Nelson !
ATMOSFERA
avant-dernière pensées
blog d'apontamentos
Blog de Papel
Brancaleone
Casa de Cacela
Coisas da Gaveta
coisasemnome
Cosmorama
Cronópios
dias comem tempo
Dennis D.
Divas e Contrabaixos
Do Inatingível
Dona Estultícia
Em desalinho
Equinócio de Outono
Escrita Ibérica
Escrita Solta
Escritoras Suicidas
Estado Civil
Frágil
Fico até tarde neste mundo
Food-i-do
FOCANDO-revista
Gávea
George Cassiel
GERMINA
holocausto
imaginário eixo
Incursões
Inscrições
Insónia
LaGioconda - Revista
La vie en blues
Letra de Corpo
Letteri Café
Limiar do Limite
Linha de Cabotagem
loose lips sink ships
Los Excessivos
lowcura
menina limão
meia-noite todo dia
Meu bazar de Idéias
micrópolis
Milton Ribeiro
MINGUANTE - revista
miniscente
MIZU NO OTO
metonímias
mudança de ventos
Nu Singular
No Arame
Nocturno com Gatos
O Biscoito Fino e a Massa
o carapuceiro
Ofício Diário
pAIxÃO sObrE TElA
Papel de Pão
papel de rascunho
Paramar
Pensar enlouquece, pense nisso
Podiamsermais
Prima Scripta
Prosa Caótica
Púrpura Rosa
Rachel Caiano
Rascunho-Jornal de Literatura
Registo Civil
respirar o mesmo ar
Riobaldo e Diadorim
Segundo Impacto
Sempre Ontem
Sobre a pálpebra da página
Sublinhar
SULSCRITO
Sushileblon
tábua de marés
The heart is a lonely hunter
there's only 1 alice
Tubo de ensaio
Urdidura
Umbigo do sonho
Vai meu filho!
Welcome to Elsinore
versões
VOLUMEN
Zunai- revista
20 CENTÍMETROS
- 273,15 ºC


 

Últimos posts




 

arquivos



  

visitantes





 

  

estatísticas




 

créditos