sao conrado at dawn IN THE MEADOW"

Se os dias, as palavras, os afetos a subirem-me pela face forem generosos e o meu olhar agudo,talvez escreva um poema, um conto. Por ora são anotações esparsas. In the meadow. Ao som do mar.


sábado, 29 de julho de 2006

ainda (singelos) poemas curtos




espero


espero o teu olhar colado
ao meu desejo .
espero a chama das palavras
e a tua voz a morrer
quando me chamas:
vem...


silvia chueire



entrever


apenas te entrevi
e sei
das tuas mãos
- quanto mar a me tocar o corpo.
dos teus olhos entreabertos
- quanto céu a me dizer palavras.




silvia chueire




escrito por Silvia Chueire

|

3 comentários







sexta-feira, 28 de julho de 2006

Árabes - XXXIV




danço


eleva-se a lua entre as minhas mãos,
meu corpo a ondular na música.
não há véus que escondam
o sentido do meu olhar que te procura.

é grande a minha pátria de montanhas
e cedros inclinada sobre o mediterrâneo,
o quarto crescente a acariciá-la.
mas não me abriga da falta.

danço para os teus olhos que não estão,
para as tuas mãos a lamberem-me a memória.
danço notas a desprenderem-se do alaúde,
e me tocarem a pele.

és tu
e não és tu.

silvia chueire



escrito por Silvia Chueire

|

0 comentários







quarta-feira, 26 de julho de 2006

(singelos) poemas curtos


nada mais

não me escrevas, meu amor,
já nada mais existe.
nada mais será
aquilo que ouviste,
entre suspiro e gesto,
o corpo – a alma - disponível,
para ti já nada mais está.

silvia chueire




trair

tuas palavras,
teus pedidos,
teu amor,

percorrem-me
tornando líquido o corpo
e fraca a vontade;
o pensamento a trair-me
a decisão tomada.


silvia chueire

escrito por Silvia Chueire

|

0 comentários







segunda-feira, 24 de julho de 2006

Árabes - XXXIII


trazida de: http://crimesdeguerranolibano.blogspot.com

partir


meus olhos a arrastarem-se pelo chão,
a vida destruída e lenta,
dor a pregar-se no meu corpo.


minha terra revolvida

- tinta do sangue desavisado
dos meus -
pela morte a cair do céu,
pelos pés e mãos armados.


destituída a terra do seu fim,
alimento e sombra a crescerem
sobre ela;
para ter o destino inumano,
esta invenção da guerra:
a carne do homem.

não há mais lágrimas para a dor.
afasto-me absoluto do solo,
deixo para trás meu país.

nunca mais serei eu.


silvia chueire

escrito por Silvia Chueire

|

1 comentários







sexta-feira, 21 de julho de 2006


Le tableau noir - Picasso













Não

Não tiro os meus olhos do mar,
não disponho as mãos geométricas,
calmas, sobre o colo.
Mantenha-se distante ,
diz o aviso em minha testa.

Não evitarei o lugar do corpo,
- o lugar natural ao qual ele pertence -
ou o da voz. Não evitarei a canção.
Não darei voltas ao redor
do óbvio : círculos são formas repetitivas.

Não navego no discurso vazio
- os dias são poucos e raros
para silenciar a fala
com a palavra vã.
Não renego o que digo,
nem aceito arreios a atormentar-me os versos.

Não me dobram as noites longas,
cujo céu cresce, onda negra
no silêncio em torno.
O tempo não corre trajetos exatos,
amanhã cantarei a lua ou o dia.

Não me cales as palavras
de qualquer ordem
- não me calarei para que durmas em paz,
não me importas.
Não as enfeito com lirismo
elas têm brilho próprio.

O poema é a matéria
que tenho nas mãos.



Silvia Chueire

escrito por Silvia Chueire

|

0 comentários







terça-feira, 18 de julho de 2006




casuarinas


Vem


Vou-me juntar a ti nesta tarde nascente que queima entre as casuarinas. Ouves o que elas murmuram olhando o mar? Palavras levíssimas a cantar um chamado. Que é nosso. Que não cala.
A tarde a encher-se de formas e sons e corpos.
Resgata-me o corpo, todas as formas e o que há dentro delas. Porque resgatando-as, as poderei oferecer a ti.
Não há pranto a encobrir abismos - talvez um dia houvesse – há um oceano a navegar. Uma ausência de medos e um longínquo cantar de sereias. Tu és a voz, a palavra pela qual percorrerei os abismos sem receio, com o prazer estremecido do desejo.

Tu és o meu delírio mais agudo, porque real. O sentido estabelecido das coisas. Como se repentinamente elas tivessem tomado seus lugares no aleatório do mundo. O sentido, o sentimento, o olhar a abandonar o corpo, onde tudo o mais são inânias e o que prevalece é o desfalecimento da entrega. As vozes vulcânicas que nos tomam, que me tomam.
Toma-me. Estaremos construindo um império de afetos e desejo a sobreviver terremotos. Porque não tememos e não somos cegos. Já sabemos bastante de cegueiras e precipícios. Piso passos cuidadosos contigo. Desabridos e cuidadosos por ti. Não esgotarei teus vícios, eles são tu. Tudo será o nosso vôo.

Neste rio que nos percorre vive uma escrita ancestral, uma palavra única, saída de algum lugar simultaneamente em nós e fora de nós .
Vem, escreve comigo todas as palavras, os gritos, os segredos que só nós sabemos. As mãos e a boca saciando a fome que não finda. Tudo é domarmos o destino, o bridão nas nossas mãos, galope pleno. Qualquer profundidade, a construiremos os dois, com a vida subindo-nos à garganta.
Só colado ao teu , meu corpo se sabe corpo. Por isso para que nada se perca, para que não nos percamos, vem.

Vem...



Silvia Chueire

escrito por Silvia Chueire

|

4 comentários







sábado, 15 de julho de 2006

todo dia




todo dia noite
todo dia fundo
todo dia alado

todo dia só espaço

- vinte e quatro horas
determinadas
previamente -

apenas nossos passos
ruidosos andam o dia
e nos afastam do início
ou fim

todo o dia o mesmo dia
ou ontem ?



silvia chueire

escrito por Silvia Chueire

|

2 comentários







sexta-feira, 14 de julho de 2006

amo-te









todo dia - II

todo dia ele me acordaria
entre as brumas
dos lençóis
e a maciez dos olhos.

diria o poema essencial
inesperado e rouco :
amo-te


silvia chueire



presa

tenho presa a palavra
na memória
de uma geografia que não se desfaz.

tudo me aponta uma saída:
o desdobrar do corpo
sobre si próprio,
a invenção de uma gramática,
os passos na direção do horizonte.

mas minha voz não se move,
cada vocábulo se perde
num oceno de afeto.

o poema é sempre o mesmo:

-amo-te-

silvia chueire

escrito por Silvia Chueire

|

1 comentários







terça-feira, 11 de julho de 2006


Recreio dos Bandeirantes : praia - posto 10


Cartola


Entende o que sinto,
em quantas vozes torna-se a minha
desfraldada na manhã.
O sal na boca
o mar a dizer-se em ondas
quando se intromete
teu samba nos meus quadris
contidos pela hora.

Entende o que digo
quando digo que não morres
a cada vez que canto
acompanhando o ritmo
quase alucinação
de me olhares ternamente,
irmamente.
Ao meu lado o teu carinho
desfiado nos palavras da canção
que criavas.
O tempo subindo-nos pelas pernas,
o silêncio negro que interrompes,
subindo a serra na madrugada.

Entende o que canto
quando digo que a harmonia
deste samba é nossa.
Não se divide o nosso samba, meu amor.


Silvia Chueire


escrito por Silvia Chueire

|

9 comentários







domingo, 9 de julho de 2006


The shore of  Tourquoise - Alfred Bierstadt

naufrágio


naufraguei nas tuas costas
ó país dos desalentos.

perdi-me nas tuas águas
a tempestade a varrer-me
o corpo em ascendido movimento

soube assim da crueldade dos gestos
da inutilidade das palavras


silvia chueire

escrito por Silvia Chueire

|

1 comentários







quinta-feira, 6 de julho de 2006


imagem :anne leibovitz
a mesma canção


nas dobras do amor
- samba, choro,
blues cantado na madrugada,
seda transformando-se em mãos,
lábios em navios -
posso renascer.

descansar minhas perguntas,

meu silêncio,
meu riso aceso no teu corpo,
os murmúrios da noite
ecoando entre estas coxas
- que são minhas,
que são tuas -

e muito antes que digas,
as palavras flutuam-me,
enchem-me a boca de alegria
- frutos colhidos pelas mãos
que me alisam os seios -
verbo e fogo.

teus olhos perdidos em mim,
flores famintas
nascendo em toda parte

- do meu corpo,
do teu corpo -
a cantarem a mesma canção:
amor, meu amor.


silvia chueire

escrito por Silvia Chueire

|

3 comentários







terça-feira, 4 de julho de 2006



Manhã de domingo


A manhã nublada do domingo e suas ruas quietas. A casa descansa um descanso que não é meu. Azaléas caladas na varanda, um latido ao longe, a obra na rua parada ao meio. Tudo parece ainda no resto de sono matinal.

Olho detalhadamente as coisas - casa, rua, jardim, árvores, varanda, montanhas ao longe, cão perambulando - à procura do reconforto da visão pacífica de tudo. Sorrio da minha própria ingenuidade. Pacíficas as coisas, inquieta a pessoa. Não me movo, distendendo o entendimento da inevitabilidade dos fatos. Ainda assim sem paz. Ainda assim pergunto sempre.

Jazer ali, talvez, feito coisa, apenas um objeto impensante a mais na natureza passageira de tudo.
Ou feito gato que vai passando em passos lentos; esguio, todo atenção. Essa atenção esquiva, própria, enigmática, que não pergunta, mas tem propósitos.

Jazer, nem um pensamento a atormentar-me com os porquês.
Reunir-me à buganvília , toda silêncio e espinhos, a usufruir o sol.

E nem uma palavra.


Silvia Chueire

escrito por Silvia Chueire

|

2 comentários







segunda-feira, 3 de julho de 2006

de amor - XII


para a.f.


nada disto é explicável.
nenhuma das palavras surpreendentes
que dissemos.
nem quando ou porque surgiu o amor.

não se explica a sensibilidade
extrema no seu nascimento,
o cuidado,
o desvelo dos gestos.

nunca soube porque entendia
mesmo o que não dizias,
nem como soubeste de mim, sempre.
nossos beijos,
as mãos, as bocas,
a percorrerem o mundo
dos corpos no amor.


como nos abandonamos,
sem receio.
o que os lábios sabiam antes de nós,
a pele, os olhos.

a intensidade deste encontro
nadando nas pálpebras,
nos dias.
a estender-se nas palavras.

nunca sei,
não se explica o amor.


silvia chueire




escrito por Silvia Chueire

|

3 comentários










home

 

Creative Commons License
This work is licensed under a
Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 2.5 License.

perfil

nome: Silvia Chueire

local: Rio de Janeiro, Brazil


perfil completo

 

links

PNETLITERATURA
A Esquerda da Vírgula
A Natureza do Mal
As Gavetas
A Origem das Espécies
Ana de Amsterdam
Afrodite sem Olimpo
Agreste
Algaravária
Amoralva
Antologia do Esquecimento
Ao longe os barcos de flores
Ao mirante, Nelson !
ATMOSFERA
avant-dernière pensées
blog d'apontamentos
Blog de Papel
Brancaleone
Casa de Cacela
Coisas da Gaveta
coisasemnome
Cosmorama
Cronópios
dias comem tempo
Dennis D.
Divas e Contrabaixos
Do Inatingível
Dona Estultícia
Em desalinho
Equinócio de Outono
Escrita Ibérica
Escrita Solta
Escritoras Suicidas
Estado Civil
Frágil
Fico até tarde neste mundo
Food-i-do
FOCANDO-revista
Gávea
George Cassiel
GERMINA
holocausto
imaginário eixo
Incursões
Inscrições
Insónia
LaGioconda - Revista
La vie en blues
Letra de Corpo
Letteri Café
Limiar do Limite
Linha de Cabotagem
loose lips sink ships
Los Excessivos
lowcura
menina limão
meia-noite todo dia
Meu bazar de Idéias
micrópolis
Milton Ribeiro
MINGUANTE - revista
miniscente
MIZU NO OTO
metonímias
mudança de ventos
Nu Singular
No Arame
Nocturno com Gatos
O Biscoito Fino e a Massa
o carapuceiro
Ofício Diário
pAIxÃO sObrE TElA
Papel de Pão
papel de rascunho
Paramar
Pensar enlouquece, pense nisso
Podiamsermais
Prima Scripta
Prosa Caótica
Púrpura Rosa
Rachel Caiano
Rascunho-Jornal de Literatura
Registo Civil
respirar o mesmo ar
Riobaldo e Diadorim
Segundo Impacto
Sempre Ontem
Sobre a pálpebra da página
Sublinhar
SULSCRITO
Sushileblon
tábua de marés
The heart is a lonely hunter
there's only 1 alice
Tubo de ensaio
Urdidura
Umbigo do sonho
Vai meu filho!
Welcome to Elsinore
versões
VOLUMEN
Zunai- revista
20 CENTÍMETROS
- 273,15 ºC


 

Últimos posts




 

arquivos



  

visitantes





 

  

estatísticas




 

créditos