sexta-feira, 15 de dezembro de 2006














névoa


era uma palavra e nada mais,
a névoa a cobrir o mar.

abraço nebuloso,
a esconder-lhe a cor.

o horizonte perdido
na fumaça úmida,
gris colado ao dia.

nem se podia ver a água,
a palavra encoberta,
feito segredo.

o corpo, a voz, abraçados pela névoa.
tantas vezes penso que sou mar.



silvia chueire

Um comentário:

Fernando disse...

Oi, Slvia,
Feliz Natal, Boas Festas e um 2007 cheio de belos acontecimentos.
Paz, Saude e muita felicidade.
Beijos
fernando cals

diários IV

        a rotina pode ser uma impercebida prisão.   toma-nos de surpresa. pé ante pé instala-se na vida de acordo com ...