quinta-feira, 6 de julho de 2017

Fim



 Era tua a mão,

 música, a me tocar , memória.

Entre palavras a proximidade de um oceano,

a distância de um olhar,

o silêncio vivo do deserto.

 

Era minha a face desguardada,

Teu o coração depositado em minhas mãos.

O ar que eu respirava, era teu.

Tudo era assim : súbito .

Pequenas mortes, risos, gestos delicados

a nos tomarem

 

- até o fim .

 

Hoje voo alto.

Tu não és tu,

já não sou eu.

 

Silvia Chueire

Nenhum comentário:

diários IV

        a rotina pode ser uma impercebida prisão.   toma-nos de surpresa. pé ante pé instala-se na vida de acordo com ...