segunda-feira, 24 de julho de 2006

Árabes - XXXIII

trazida de: http://crimesdeguerranolibano.blogspot.com

partir


meus olhos a arrastarem-se pelo chão,
a vida destruída e lenta,
dor a pregar-se no meu corpo.


minha terra revolvida

- tinta do sangue desavisado
dos meus -
pela morte a cair do céu,
pelos pés e mãos armados.


destituída a terra do seu fim,
alimento e sombra a crescerem
sobre ela;
para ter o destino inumano,
esta invenção da guerra:
a carne do homem.

não há mais lágrimas para a dor.
afasto-me absoluto do solo,
deixo para trás meu país.

nunca mais serei eu.


silvia chueire

Um comentário:

Guitar Master disse...

I wish I could blog as good as you, but what I can do is give you a nice Guitar Lesson!

diários IV

        a rotina pode ser uma impercebida prisão.   toma-nos de surpresa. pé ante pé instala-se na vida de acordo com ...