quarta-feira, 26 de julho de 2006

(singelos) poemas curtos

nada mais

não me escrevas, meu amor,
já nada mais existe.
nada mais será
aquilo que ouviste,
entre suspiro e gesto,
o corpo – a alma - disponível,
para ti já nada mais está.

silvia chueire




trair

tuas palavras,
teus pedidos,
teu amor,

percorrem-me
tornando líquido o corpo
e fraca a vontade;
o pensamento a trair-me
a decisão tomada.


silvia chueire

Nenhum comentário:

diários IV

        a rotina pode ser uma impercebida prisão.   toma-nos de surpresa. pé ante pé instala-se na vida de acordo com ...