quarta-feira, 29 de novembro de 2006


fazer de conta


faço de conta que é outra coisa
e finco os pés nos dias
como se tivesse forças
para colhê-los sozinha.

sempre um dia e outro,
não exatamente iguais,
nem exatamente opostos.

debruço-me sobre o papel,
a caneta carregada de palavras
que se articularão a despeito de mim
feito desconhecidas falando entre si
uma língua cifrada.
escrevo-as.
não há outro caminho.


silvia chueire

2 comentários:

Torquato da Luz disse...

Não há mesmo outro caminho, Sílvia.
Um bj.

Jane CZ disse...

Não tem jeito mesmo. Arte é para os artistas, mas - mais do que isso - os artistas são para a arte. E ponto final. Bjs!!

diários IV

        a rotina pode ser uma impercebida prisão.   toma-nos de surpresa. pé ante pé instala-se na vida de acordo com ...