sexta-feira, 27 de abril de 2007






















flamenco


dai-me uma guitarra
um flamenco a contagiar-me
uma guitarra para os meus braços
e ancas dançarem livres

uma carmem
as cordas rascantes, as palmas
e os tacos a marcarem o solo
e o ritmo.

o ritmo na ponta do corpo

um copo de vinho
bebido sobre o riso
e as mãos a marcarem
a intenção de matar
ou morrer
de amor

a vida da música
dai-me


silvia chueire

Um comentário:

hfm disse...

Belo!

diários IV

        a rotina pode ser uma impercebida prisão.   toma-nos de surpresa. pé ante pé instala-se na vida de acordo com ...