domingo, 12 de agosto de 2007

esperança


o corpo devaneia entre
as almofadas de seda
e as curvas de fumaça
a atenção pousada na memória
rasga a noite
a lua cheia a emergir das nuvens

passa-se o tempo
e o meu amor não passa

há certa ternura
na mágoa desta (des)esperança



silvia chueire

Nenhum comentário:

diários IV

        a rotina pode ser uma impercebida prisão.   toma-nos de surpresa. pé ante pé instala-se na vida de acordo com ...