sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Acabar

O poema não sabe
se o ano está acabando
e desembaraça palavras
há muito caladas no meu peito.

Perco-me entre elas,
a baterem-me sobre os olhos
feito música,
e o tempo
- que pode ser todo ou nenhum,
mas pulsa.


Silvia Chueire


Um comentário:

Ramiro Conceição disse...

ALMA
by Ramiro Conceição


Que alma é esta que levo
mas que nunca se sacia?

Quando da escuridão
da Literatura,
criou uma lista à leitura;
porém, paulatinamente,
um vazio ficou dentro...
embora tudo fosse lido.

Quando da ignorância na Ciência,
delineou métodos experimentais;
mas um vazio restou gradualmente
às ditas explicações fundamentais.

Quando da necessidade de Deus,
resolveu procurá-Lo; mas, infelizmente,
descobriu somente a massa de zumbis:
hábeis torturadores em transformar
seres inocentes em doentes mentais.

Todavia tudo não se perdeu nesta poesia
porque, quando da necessidade do Amor,
a alma se encontrou com quem brincava
de existir - com inocência - além de si.
Sim,
a Inocência é tudo - disse Nietzsche
quando amou lucidamente o Mundo -
pois
o Presente da existência
é permitir o nascimento
do segredo sagrado da Inocência.

diários IV

        a rotina pode ser uma impercebida prisão.   toma-nos de surpresa. pé ante pé instala-se na vida de acordo com ...