domingo, 2 de maio de 2010

Tenho os pensamentos enredados
na grandeza da noite,
ela os empurra e confunde.

Meu corpo é um só contra o tempo e
tantas vezes se encolhe na angústia
de ignorar
o próximo fato definitivo.

Pó a temer pó.


Silvia Chueire

Um comentário:

Manoel disse...

Seu poema captura o tempo e a angústia da passagem das coisas. Pó a temer pó. Na palavra, alada e viva.

diários IV

        a rotina pode ser uma impercebida prisão.   toma-nos de surpresa. pé ante pé instala-se na vida de acordo com ...