segunda-feira, 26 de junho de 2006





escuta

escuta o que te digo.
escuta através das palavras,
além delas,
o outro lado do muro.
escuta a ternura .

não te atenhas ao rabisco das letras,
à sonoridade,
ou à forma.

escuta as outras canções que canto,
o colo ofertado sem medo,
as palavras a brotarem
das minhas mãos,
da minha pele ,
do meu sexo.

escuta os gestos , os braços,
as coxas trêmulas,
as palavras indizíveis,
as ditas,
as obscenas.

escuta a flor que renasce
e não diz versos, mas deseja.
e desejando encontra a poesia
a liberdade da paixão,
o poema.

escuta o que digo
para além do poema.
o olhar oceânico,
de quem sorri e chora
e não sabe ainda nada.

escuta-me
ou nunca saberemos
o que poderia ser.

silvia chueire

Um comentário:

Ilidio Soares disse...

Segurando no pescoço do "elemento", meio que sacolejando o mesmo, esse "escuta" faz acordar qualquer ser vivente. E morrente tb, isso, claro, se já não estiver enterrado. Na mosca, Silvia. Na mosca. (não a dos mortos, mas na dos vivos)
bjos
Ilidio

diários IV

        a rotina pode ser uma impercebida prisão.   toma-nos de surpresa. pé ante pé instala-se na vida de acordo com ...