domingo, 16 de março de 2008

um poema de 2004

se

se todas as palavras forem gestos
e todos os gestos, corpo e alma
e todo corpo e alma for delírio
e todo delírio, gozo
e todo gozo for abismo
e todo abismo, nossa natureza
e toda natureza for palavras

e todas as palavras novamente gestos
e todos os gestos, canções
e todas as canções, amor
e todo o amor for vida
e toda vida for suspiro
e todos os suspiros, sentimento
e todo sentimento, poema
e todo poema, o sentido
ajoelhado frente à brevidade
de todas as coisas


aí então, tudo terá valido a pena


silvia chueire

2 comentários:

Amélia disse...

GOSTEI DE RELER, AMIGA.BEIJO

Eduardo Palandi disse...

querida Silvia,

ter escrito esse poema pode não ser tudo, mas valeu a pena... é lindo.

beijo,

Eduardo

diários III

as orquídeas lançam raízem e flores desenfreadas. têm pressa.   desabrocharão sua beleza extrema com a paixão típica das flores....