quinta-feira, 5 de outubro de 2006

Lisboa















não é o mesmo II


hoje o amor não é o mesmo,
deita nas praças seu corpo desejoso,
distende-se na luz da cidade,
tonto de beleza.

emoldurado pelo rio
o amor diz o poema fundamental
quando a vida respira nele
e a palavra a complementa
e se eleva,
nas bocas úmidas de vinho.

silvia chueire

Nenhum comentário:

diários IV

        a rotina pode ser uma impercebida prisão.   toma-nos de surpresa. pé ante pé instala-se na vida de acordo com ...