sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Uma pedra

Há uma pedra na insônia.
São de pedra as nuvens carregadas e a voz calada.



Um corpo pende no abismo.
Equilibra-se ou não,

como qualquer objeto.



Toda a consciência da pedra,
da luz,

do sangue,

da microscópica importância da existência

se entrechocam .



Silvia Chueire

Nenhum comentário:

diários V

o perfume eleva a pele a algo entre o veludo e o abraço. cola-se na minha memória a mistura de tangerinas, rosas, lilases. ...